Capítulo 33

O Rei Fred Fica Preocupado

Pouco sabendo da nova ameaça a seus esquemas, Cuspêncio e Palermo tinham acabado de se sentar para um dos costumeiros jantares suntuosos tarde da noite com o rei. Fred ficou muito alarmado ao saber do ataque do Ickabog em Baronópolis, porque isso significava que o monstro tinha vagado para mais perto do palácio do que nunca.

— Uma coisa pavorosa — disse Palermo, colocando no prato um chouriço inteiro.

— É de fato um choque — disse Cuspêncio, cortando uma fatia de faisão.

— O que não entendo — disse Fred, aflito — é como ele conseguiu passar pelo bloqueio!

Porque, naturalmente, informaram ao rei que uma divisão da Brigada de Defesa Contra o Ickabog ficava permanentemente acampada na beira do pântano para impedir que o Ickabog escapasse para outras regiões do país. Cuspêncio, que esperava que Fred levantasse esta questão, tinha uma explicação pronta.

— Lamento dizer que dois soldados adormeceram em seu turno de vigilância, Majestade. Apanhados desprevenidos pelo Ickabog, eles foram devorados vivos.

— Pelos Santos Mártires! — disse Fred, apavorado.

— Depois de passar pela linha — continuou Cuspêncio —, o monstro foi para o sul. Acreditamos que tenha sido atraído a Baronópolis pelo cheiro de carne. Lá, ele devorou algumas galinhas, assim como o açougueiro e a esposa.

— Medonho, medonho — disse Fred, estremecendo e afastando dele o prato. — E depois ele voltou de mansinho para o pântano, não?

— Foi o que disseram nossos batedores, Alteza — disse Cuspêncio —, mas agora que sentiu o gosto de um açougueiro recheado de linguiça de Baronópolis, devemos nos preparar para o monstro tentar passar regularmente pelas linhas dos soldados… por isso creio que precisamos dobrar o número de homens posicionados lá, Alteza. Infelizmente, isto significará dobrar o imposto do Ickabog.

Para sorte deles, Fred olhava para Cuspêncio, então não viu o sorriso maldoso de Palermo.

— Sim… suponho que isto faça sentido — disse o rei.

Ele se levantou e passou a andar, indócil, pelo salão de jantar. A luz dos lampiões fazia suas roupas, que hoje eram de seda azul-celeste com botões verdes-água, assumirem um lindo brilho. Ao parar e se admirar no espelho, a expressão de Fred ficou sombria.

— Cuspêncio — disse ele —, o povo ainda gosta de mim, não gosta?

— Como Vossa Majestade pode fazer uma pergunta dessas? — disse Cuspêncio, arquejando. — Vossa Majestade é o rei mais amado de toda a história da Cornucópia!

— É só que… voltando a cavalo da caçada, ontem, não pude deixar de pensar que as pessoas não pareciam tão felizes como antigamente, quando me viram — disse o rei Fred. — Quase não ouvi nenhum viva e só vi uma bandeira.

— Me dê os nomes e endereços dessas pessoas — disse Palermo com a boca cheia de chouriço, e apalpou os bolsos à procura de um lápis.

— Não sei os nomes e endereços, Palermo — disse Fred, que agora brincava com uma borla da cortina. — Eram só pessoas, sabe como é, por quem passei. Mas isso me incomodou, e muito, e então, quando voltei ao palácio, soube que o Dia da Petição tinha sido cancelado.

— Ah — disse Cuspêncio —, sim, eu ia explicar isso a Vossa Majestade…

— Não precisa — disse Fred. — Lady Eslanda já conversou comigo sobre isso.

O quê? — disse Cuspêncio, olhando feio para Palermo. Ele dera ao amigo instruções estritas de nunca deixar que Lady Eslanda chegasse perto do rei, pois tinha receio do que ela poderia dizer a ele. Palermo fez uma careta e deu de ombros. A verdade é que Cuspêncio não podia esperar que ele ficasse ao lado do rei em cada minuto do dia. Afinal, um homem precisava ir ao banheiro de vez em quando.

— Lady Eslanda me disse que o povo está reclamando que o imposto do Ickabog é alto demais. Ela disse que há muitos boatos de que não existe nenhum soldado no posto ao norte!

— Que disparate — disse Cuspêncio, mas na verdade era inteiramente verídico que não havia soldado algum estacionado no norte, e também era verídico que surgiram ainda mais queixas sobre o imposto do Ickabog, e foi por isso que ele cancelou o Dia da Petição. A última coisa que queria era que Fred ouvisse que estava perdendo popularidade. Ele podia meter naquela cabeça tola a ideia de baixar os impostos ou, pior ainda, mandar alguém investigar o acampamento imaginário no norte.

— Evidentemente, existem ocasiões em que dois regimentos fazem a troca da guarda — disse Cuspêncio, pensando que agora teria de posicionar alguns soldados próximos ao pântano para impedir que enxeridos fizessem perguntas. — É possível que algum brejeiro tolo tenha visto um regimento partindo a cavalo e imaginado que não sobrara mais ninguém por lá… por que não triplicamos o imposto, Alteza? — perguntou Cuspêncio, pensando que seria bem-feito para quem reclamava. — Afinal, o monstro atravessou mesmo as barreiras na noite passada! Deste modo, nunca haverá escassez de homens na beira da Terra dos Brejos e todo mundo ficará feliz.

— Sim — disse o rei Fred, apreensivo. — Sim, isto faz sentido. Quero dizer, se o monstro pode matar quatro pessoas e umas galinhas numa noite só…

Neste momento, Aftílio, o lacaio, entrou no salão de jantar e, com uma mesura profunda, cochichou a Cuspêncio que o espião de Baronópolis tinha acabado de chegar com uma notícia urgente da cidade de fabricantes de linguiça.

— Vossa Majestade — disse Cuspêncio com suavidade —, preciso deixá-lo. Não é nada com que se preocupar! Um problema de menor monta com meu, hmm, com meu cavalo.

Capítulos

Leia cada um dos capítulos publicados até o momento

Leia mais